Por que Lula usou o Mensalão como ferramenta de gestão da coalizão

Autores

  • Maristela Mendes de Sant'Ana CEFOR

DOI:

https://doi.org/10.47456/cadecs.v8i1.33468

Resumo

Ao assumir a Presidência da República em 2003, Luiz Inácio Lula da Silva montou e geriu sua base de apoio de forma diferente do que já se mostrara eficaz: na distribuição dos ministérios, desconsiderou a proporção da participação das legendas; no pagamento de emendas orçamentárias, priorizou partidos que não a integravam. Além disso, Lula montou a coalizão com maior número de partidos e mais heterogênea até então. As investigações da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito dos Correios e o julgamento da Ação Penal 470 evidenciaram que o Mensalão foi usado como ferramenta de governabilidade, em substituição, ao menos parcial, das tradicionais ferramentas do presidencialismo de coalizão. Este artigo explica o porquê desta prática e conclui que, quando Lula assumiu o governo, o PT era um partido híbrido; reunia características policy-seeking e vote-seeking. A parcela vote-seeking, conduzida por José Dirceu, viabilizou a vitória de Lula. Todavia, a esquerda do partido, marcadamente policy-seeking, contava com significativa presença no Parlamento, não podendo ser ignorada na distribuição de cargos. O partido que passara por profundas mudanças e adotara práticas comuns às demais legendas para jogar o jogo eleitoral não se portou da mesma forma ao chegar à Presidência da República. Não quis, ou não conseguiu, jogar o jogo da governabilidade com as ferramentas existentes. Para conseguir governar, mas seguir hegemônico e manter a imagem construída em suas origens, incorporou o Mensalão à caixa de ferramentas de gestão da coalizão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maristela Mendes de Sant'Ana, CEFOR

Mestre em Ciência Política – Poder Legislativo. E-mail: marissantana1966@gmail.com.

Downloads

Publicado

2020-11-24