"Milagres do Brasil são": a sátira ao amor freirático nas letras seiscentistas

Autores

  • Ana Lúcia M. de Oliveira Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ

Resumo

RESUMO: Frequente nas letras medievais, a tópica dos amores freiráticos é retomada na sátira que circula na Bahia no século XVII, a qual dramatiza, em um registro deformante, os discursos institucionais e as murmurações informais da sociedade da época acerca das visitas masculinas aos conventos e das "amizades ilícitas" das freiras. Ao reiterar metaforicamente os discursos oficiais sobre esse tema ou ao deslocá-los obscenamente, a sátira ao amor freirático mimetiza os preceitos do amor cortês e suas técnicas eróticas, transformando a galanteria em estilo baixo e o encômio, em vitupério. Conforme demonstrarei, essa mudança convoca comumente a paródia da lírica amorosa e dos lugares comuns do petrarquismo. Além disso, destacarei como, na perspectiva misógina da persona satírica, a descrição obscena dos corpos das freiras e de seus amantes bem como a imitação licenciosa das trocas de cartas e de alimentos entre eles funcionam como táticas empregadas para satirizar a "santa sede" das freiras.


PALAVRAS-CHAVE: Poesia brasileira seiscentista – Gregório de Matos. Sátira seiscentista – Gregório de Matos. Gregório de Matos – Amores freiráticos. Amores freiráticos – Tema literário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-11-09

Edição

Seção

Artigos (Dossiê)