O chiste Rilke Shake, de Angélica Freitas, como resistência e como crítica

Autores

  • Lucas dos Passos Instituto Federal do Espírito Santo - IFES

Resumo

RESUMO: Este artigo propõe uma análise de Rilke shake, primeiro livro de Angélica Freitas, observando, naturalmente, elementos formais e ideológicos que seriam consolidados em sua segunda obra, mas sobretudo considerando o posicionamento irônico e chistoso da autora, desde o título, diante do cânone literário – este, marcadamente masculino. Com isso, desenha-se nos poemas enfeixados no volume uma leitura crítica da tradição que reforça a postura de resistência predominante na poeta. Para este percurso, ao lado da leitura de alguns poemas centrais da obra em questão, virão ao debate teorias de Freud (1969) sobre o chiste, considerações de Harold Bloom (2002) sobre a angústia da influência no domínio poético e notas da fortuna crítica da autora (SANTOS; HAYASHI, 2013; BASTOS, 2012).


PALAVRAS-CHAVE: Poesia brasileira contemporânea - Humor. Poesia humorística brasileira – Angélica Freitas. Angélica Freitas - Rilke shake. Rilke shake – Humor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-11-09

Edição

Seção

Artigos (Dossiê)