DISCURSIVIDADES DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA NA REDE VIRTUAL

UMA TRAMA DE SUJEITOS E DE SENTIDOS

Autores

  • Paula Souza Pereira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia https://orcid.org/0000-0001-7747-7067
  • Gerenice Ribeiro de Oliveira Cortes Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) - Professora do Departamento de Estudos Linguísticos e Literários (DELL) e do Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGLin) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGLin/UESB) https://orcid.org/0000-0001-6597-6192

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.29255

Palavras-chave:

Reforma da Previdência, Discursividades midiáticas digitais, Silenciamento de sentidos, Resistência

Resumo

Este trabalho objetiva compreender o funcionamento discursivo da Reforma da Previdência (RP) em mídias digitais, considerando as redes interdiscursivas e as formas de significação no ciberespaço. Como embasamento teórico-metodológico, tomamos a Análise do Discurso (AD) concebida por Pêcheux e as discussões estabelecidas por seus seguidores. Especificamente, neste artigo mobilizamos as noções teóricas de sujeito, interdiscurso, memória discursiva e silenciamento, que serão nossas categorias analíticas. O corpus constitui-se de recortes parciais de notícias publicadas em maio de 2019, sendo uma do site oficial do governo federal e três publicadas nos webjornais O Globo, Estadão e GGN. Os gestos de análises se dão no batimento descrição/interpretação (PÊCHEUX, 2015), no intuito de buscar as discursividades inscritas nas materialidades. Os resultados mostram uma movimentação de sentidos e posições-sujeito, dadas as circulações-confronto que se instauram na rede acerca da RP, pois esta é discursivizada pela FD estatal e pela grande mídia com efeitos de benefícios aos trabalhadores. Entretanto, também funciona nas mídias digitais o discurso de resistência, já que nos ditos dos supostos benefícios, se inscrevem os não ditos de defesa dos interesses da classe empresarial e de perdas impostas à classe trabalhadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Souza Pereira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB); mestra em Letras: Cultura, Educação e Linguagens pela UESB; graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela mesma instituição. É bolsista da UESB.

Gerenice Ribeiro de Oliveira Cortes, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) - Professora do Departamento de Estudos Linguísticos e Literários (DELL) e do Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGLin) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGLin/UESB)

Doutora e mestra em Letras/Linguística pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); graduada em Letras pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). É professora do Departamento de Estudos Linguísticos e Literários e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UESB.

Referências

BBATISTA, G. A. A discursivização espetacularizada da política brasileira em memes: metáfora, imaginário e efeitos-sentidos. 2019. 121 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, 2019.

CORTES, G. R. O. Do lugar discursivo ao efeito-leitor: a movimentação do sujeito no discurso em blogs de divulgação científica. 2015. 266 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13933. Acesso em: 26 jul. 2019.

COURTINE, J.-J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: Edufscar, 2014.

DIAS, C. Para uma compreensão discursiva do digital: o sentido de tecnologia. In: GRIGOLETTO, E.; DE NARDI, F. S. (Orgs.). A análise do discurso e sua história: avanços e perspectivas. Campinas: Pontes Editores, 2016a. p. 297-309.

DIAS, C. A análise do discurso digital: um campo de questões. Redisco, Vitória da Conquista, v. 10, n. 2, p. 8-20, 2016b. Disponível em: http://periodicos.uesb.br/index.php/redisco/article/viewFile/6139/5880. Acesso em: 04 jul. 2019.

DIAS, C. Análise do discurso digital: sujeito, espaço, memória e arquivo. Campinas: Pontes Editores, 2018.

ECONOMISTAS destroem ‘mitos’ da ‘reforma’ da Previdência e lançam manifesto. Jornal GGN, São Paulo, 15 mai. 2019. Disponível em: https://jornalggn.com.br/debate/economistas-destroem-mitos-da-reforma-da-previdencia-e-lancam-manifesto/. Acesso em: 22 ago. 2019.

FERNANDES, C.; VINHAS, L. I. Da maquinaria ao dispositivo teórico-analítico: a problemática dos procedimentos metodológicos da Análise do Discurso. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 19, n. 1, p. 133-151, jan./abr. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-76322019000100133. Acesso em: 10 mar. 2020.

GUILBERT, T. As evidências do discurso neoliberal na mídia. Campinas: Editora da Unicamp, 2020.

INDURSKY, F. Unicidade, desdobramento, fragmentação: a trajetória da noção de sujeito em Análise do Discurso. In: MITTMANN, S.; GRIGOLETTO, E.; CAZARIN, E. A. (Orgs.). Práticas discursivas e identitárias: sujeito e língua. Porto Alegre: Nova Prova, 2008. p. 9-33.

INDURSKY, F. A memória na cena do discurso. In: INDURSKY, F.; MITTMANN, S.; FERREIRA, M. C. L. F. (Orgs.). Memória e história na/da análise do discurso. Campinas: Mercado de Letras, 2011. p. 67-89.

INDURSKY, F. O trabalho discursivo do sujeito entre o memorável e a deriva. Signo e Seña, Buenos Aires, n. 24, p. 91-104, dez. 2013. Disponível em: http://revistascientificas.filo.uba.ar/index.php/sys/article/view/3210/2846. Acesso em: 20 fev. 2019.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MITTMANN, S. Redes e ressignificações no ciberespaço. In: ROMÃO, L. S.; GASPAR, N. (Orgs.). Discurso midiático: sentidos de memória e arquivo. São Carlos: Pedro e João, 2008. p. 113-130.

NOVA Previdência é o primeiro grande passo para liberdade econômica, diz Bolsonaro. Governo do Brasil, Brasília, 06 mai. 2019. Disponível em: https://www.gov.br/planalto/pt-br/acompanhe-o-planalto/noticias/2019/05/nova-previdencia-e-o-primeiro-grande-passo-para-liberdade-economica-diz-bolsonaro. Acesso em: 30 ago. 2019.

NUNES, V. F. A Previdência Social no Brasil: história, modelo atual, conquistas e implicações sociais em caso de reforma. Revista Científica do Curso de Direito, n. 2, p. 37-51, jan. 2019. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/rccd/article/view/4708. Acesso em: 30 nov. 2019.

OLIVEIRA, E. Seis em cada dez brasileiros concordam com a reforma da Previdência, diz pesquisa Ibope/CNI. O Globo, Rio de Janeiro, 08 mai. 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/economia/seis-em-cada-dez-brasileiros-concordam-com-reforma-da-previdencia-diz-pesquisa-ibopecni-23649637. Acesso em: 31 mar. 2020.

ORLANDI, E. P. Segmentar ou recortar?. Linguística: questões e controvérsias. Série Estudos 10. Curso de Letras do Centro de Ciências Humanas e Letras das Faculdades Integradas de Uberaba, 1984. p. 9-26.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 10. ed. Campinas: Pontes Editores, 2012.

ORLANDI, E. P. Uma amizade firme, uma relação de solidariedade e uma afinidade teórica. Introdução. In: ORLANDI, E. P. et al. (Orgs.). Gestos de leitura: da história no discurso. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014. p. 9-16. Edição original: 1983.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, F.; HAK, T. (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. p. 61-161. Edição original: 1969.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. (Orgs.). Papel da memória. Trad. José Horta Nunes. Campinas: Pontes Editores, 1999. p. 49-56. Edição original: 1983.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 5. ed. Trad. Eni Puccinelli Orlandi et al. Campinas: Editora da Unicamp, 2014. Edição original: 1975.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. 7. ed. Trad. Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Pontes, 2015. Edição original: 1983.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. Trad. Péricles Cunha. In: GADET, F.; HAK, T. (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução a obra de Michel Pêcheux. Trad. Bethania Mariani et al. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. p. 163-252.

ROMÃO, L. M. S. Nós, desconhecidos, na grande rede. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 5, n. 1, p. 71-91, jul./dez. 2004. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/302. Acesso em: 20 mar. 2020.

ROSÁRIO, H. M. O sujeito do discurso e a noção de porta-voz na mídia. In: MITTMANN, S.; GRIGOLETTO, E.; CAZARIN, E. A (Orgs.). Práticas discursivas e identitárias: sujeito e língua. Porto Alegre: Nova Prova, 2008. p. 237-254.

SILVA, M. A. Análise crítica da proposta de reforma da Previdência Social no Brasil entre os anos 2016 e 2018. Serviço Social e Sociedade, n. 135, p. 213-230, mai./ago. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282019000200213. Acesso em: 30 nov. 2019.

TOMAZELLI, I. Desafios fiscais do governo vão além da Previdência. Estadão, São Paulo, 26 mai. 2019. Disponível em: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,desafios-fiscais-do-governo-vao-alem-da-previdencia,70002843835. Acesso em: 26 ago. 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-30