TIREM AS CRIANÇAS DO SOFÁ!

RESSONÂNCIAS BIOPOLÍTICAS EM DISCURSOS SOBRE O SEDENTARISMO INFANTIL

Autores

  • Francisco Vieira da Silva Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.31182

Palavras-chave:

Biopolítica, Discurso, Sedentarismo infantil

Resumo

Este texto tem como objetivo investigar discursos acerca do sedentarismo infantil, visando analisar o funcionamento de estratégias biopolíticas que constroem um saber sobre a criança sedentária e intervêm sobre corpo infantil, de maneira a controlá-lo e inseri-lo no raio de atuação de um poder que se volta para a regulação da vida. Para tanto, partimos das teorizações de Michel Foucault acerca do biopoder e da biopolítica, bem como do discurso, do enunciado e da formação discursiva. Do ponto de vista metodológico, trata-se de um estudo descritivo-interpretativo, de abordagem qualitativa. O corpus de análise compõe-se de três materialidades discursivas que circularam nas mídias digitais. As análises denotam que os discursos acerca do sedentarismo infantil fazem funcionar estratégias biopolíticas, pois, ao patologizarem o sedentarismo, concebem a prática da atividade física como uma condição essencial para a inserção da criança na ordem do discurso da saúde e do bem-estar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Vieira da Silva, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Doutor em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB); mestre em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN); especialista em Ciências da Linguagem aplicadas à Educação a Distância pela UFPB; graduado em Letras pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). É professor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Campus de Caraúbas; do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERN; e do Programa de Pós-Graduação em Ensino da associação entre a UERN, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e a UFERSA.

Referências

AGÊNCIA BRASIL. América Latina tem maior índice de sedentários: Brasil lidera. 2018. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2018-09/america-latina-tem-maior-indice-de-sedentarios-brasil-lidera. Acesso em: 06 jan. 2019.

ARTIÈRES, P. Dizer a atualidade: o trabalho diagnóstico de Michel Foucault. In: GROS, F. (Org.). Foucault: a coragem da verdade. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2004, p. 15-37.

CALOMENI, T. O ronco surdo da batalha: poder disciplinar e biopolítica. In: RESENDE, H. (Org.). Michel Foucault: o ronco surdo da batalha. São Paulo: Intermeios, 2018. p. 215-239.

COSTA, D. P. Blogs terapêuticos e discursos biopolíticos. In: SOUSA, K. M.; PAIXÃO, H. P. P. Dispositivos de poder/saber em Michel Foucault: biopolítica, corpo e subjetividade. São Paulo: Intermeios, 2015. p.31-42.

CRARY, J. 24/7: capitalismo tardio e os fins do sono. Trad. Joaquim Toledo Jr. São Paulo: Ubu Editora, 2013.

DIESPORTE. A prática do esporte no Brasil. Disponível em: http://www.esporte.gov.br/diesporte/2.html. Acesso em: 08 jan. 2019.

EHRENBERG, A. O culto da performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2010.

FERREIRA, M. S.; CASTIEL, L. D.; CARDOSO, M. H.C. A. 2017. Sedentarismo mata? Estudo de comentários de leitores de um jornal brasileiro on-line, Saúde Soc., São Paulo, v. 26, n. 1, p.15- 28, 2017.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: RABINOW, P.; DREYFUS, H. Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Trad. Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-250.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1999.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Trad. Maria Ermatina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, M. O nascimento da clínica. Trad. Roberto Machado. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: a vontade de saber. 13. ed. Trad. Maria Thereza Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. São Paulo: Graal Edições, 2007.

FOUCAULT, M. O que são as luzes? In: FOUCAULT, M. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Trad. Elisa Monteiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008a. p. 335-351.

FOUCAULT, M. Segurança, território e população: curso dado no Collège de France (1977-1978). Trad. Eduardo Brandão. São Paulo, Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FRAGA, A. B. Multiplicação sedentária: uma história do presente nos rastros de Foucault. In: RESENDE, H. (Org.). Michel Foucault: o ronco surdo da batalha. São Paulo: Intermeios, 2018. p. 13-23.

G1. Um em cada 4 adultos é sedentário, diz Organização Mundial da Saúde. 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/bemestar/noticia/um-em-cada-4-adultos-e-sedentario-ou-nao-pratica-suficiente-atividade-fisica-diz-oms.ghtml. Acesso em: 06 jan. 2019.

NESTLÉ. Criança e sobrepeso. Saiba o motivo das crianças estarem com sobrepeso 2017. Disponível em: https://www.nestle.com.br/proposito/individuos-e-familias/historias/saiba-como-as-criancas-comem-e-os-motivos-do-sedentarismo. Acesso em: 04 jan. 2019.

O GLOBO. ONU cria prêmio para combater sedentarismo no Brasil. 2016. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/onu-cria-premio-para-combater-sedentarismo-no-brasil-19196882. Acesso em: 08 jan. 2019.

PORTAL AGITA. Quem somos. 2018. Disponível em: http://portalagita.org.br/pt/agita-sp/o-agita-sp/quem-somos.html. Acesso em: 02 jan. 2019.

RESENDE, E. Entenda os riscos e saiba como evitar o sedentarismo infantil, Revista da Mulher, 2017. Disponível em: http://arevistadamulher.com.br/familia/content/2391565-entenda-os-riscos-e-saiba-como-evitar-o-sedentarismo-infantil. Acesso em: 27 dez. 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-30