INSTRUÇÃO AO SÓSIA EM CONTEXTO DE FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

ABERTURA DE CAMINHOS E ALTERNATIVAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.31914

Palavras-chave:

Formação inicial de professores, Língua estrangeira, Instrução ao Sósia

Resumo

O presente artigo tem como principal objetivo descrever as modificações que ocorrem na interação promovida pela Instrução ao Sósia quando utilizada em contexto de formação inicial de professores de línguas estrangeiras. Para tanto, é feita uma apresentação do procedimento, tal como inicialmente proposto, ainda na década de 1970, seguida por uma discussão a respeito de suas (re)interpretações e adaptações promovidas pela Clínica da Atividade. Os dados discutidos neste texto foram gerados a partir da realização de uma sequência de sessões de Instrução ao Sósia com dois professores em formação inicial – a primeira de Língua Inglesa e o segundo de Língua Francesa. A análise dos textos gerados durante a interação entre a pesquisadora/professora formadora e sósias/professores em formação inicial seguiu os procedimentos previstos pelo Interacionismo Sociodiscursivo. O contexto de pesquisa a respeito da formação inicial influenciou não apenas a maneira como o procedimento foi conduzido como também a própria atividade linguageira construída pelos interlocutores. O principal aspecto parece ter sido as representações sobre os papéis sociais assumidos pelos participantes durante a interação face a face.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francieli Freudenberger Martiny, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutora em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), com estágio doutoral na Universidade de Genebra (UNIGE); mestre em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); graduada em Língua Estrangeira – Inglês pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI). É professora do Departamento de Letras Estrangeiras Modernas na UFPB.

Referências

AMIGUES, R. Pour une approche ergonomique de l’activité enseignante. Skholê, hors-série, Paris, n. 1, p. 5-16, 2003.

BENDASSOLLI, P; SOBOLL, L. A. Introdução às clínicas do trabalho: aportes teóricos, pressupostos e aplicações. In: BENDASSOLLI, P.; SOBOLL, L. A. (Orgs.). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2011. p. 3-21.

BOTA, C. et al. Pour une intelligibilité de l’agir au service de la formation et du développement. In: BOTA, C.; CIFALI, M.; DURAND, M. (Eds.). Recherche, intervention, formation, travail: débats et perspectives dans le champ de la formation des adultes. Cahiers de la section des Sciences de l’Éducation, n. 110, 2006. p. 83-110.

BRONCKART, J. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

BRONCKART, J. Genres de textes, types de discours et “degrés” de langue: hommage à François Rastier. Texto! v. XIII, n. 1/2, 2008. Disponível em: http://www.revue-texto.net/index.php?id=86. Acesso em 24 abr. 2013.

BULEA, E. Linguagem e efeitos desenvolvimentais da interpretação da atividade. Campinas: Mercado de Letras, 2010.

CHARMILLOT, M. et al. Formation initiale en alternance et élaboration de l’experience: réflexion à partir d’um entretien d’instruction au sosie. In: BOTA, C.; CIFALI, M.; DURAND, M. (Eds.). Recherche, intervention, formation, travail: débats et perspectives dans le champ de la formation des adultes. Cahiers de la section des Sciences de l’Éducation, n. 110, 2006. p. 111-125.

CLOT, Y. Clinique du travail et action sur soi. In: BAUDOUIN, J.-M.; FRIEDRICH, J. (Orgs.). Théories de l’action et éducation. Bruxelas: De Boeck, 2001a. p. 255-277.

CLOT, Y. Méthodologie en clinique de l’activité: l’exemple du sosie. In: DELEFOSSE, M. S.; ROUAN, G. (Dir.). Les méthodes qualitatives en psychologie. Paris: Dunod, 2001b. p. 125-147.

CLOT, Y. Editorial. Clinique de l’activité et pouvoir d’agir. Éducation Permanente, v. 1, n. 146, 2001c. p.7-16.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

FREUDENBERGER, F. O trabalho do professor iniciante de língua estrangeira e as ferramentas docentes: um caminho para compreender o desenvolvimento? 2015. 542 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

GOUDEAUX, A.; STROUMZA, K. De l’usage de l’instruction au sosie en formation initiale: les normes comme tiers dans le dialogue entre le sosie et l’instructeur. In: Anais do 39º Congresso Ergonomie et normalisation. Genebra, 2004.

KLEIMAN, A. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Linguística Aplicada na modernidade recente: Festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013. p. 39-58.

MOITA LOPES, L. P. Uma Linguística Aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 13-44.

NICOLINI, D. Articulating practice through the interview to the double. Management Learning, n. 40, p.195-212, 2009.

ODDONE, I.; RE, A.; BRIANTE, G. Redécouvrir l’expérience ouvrière: vers une autre psychologie du travail? Paris: Editions Sociales, 1981.

SAUJAT, F. O trabalho do professor nas pesquisas em educação: um panorama. In: MACHADO, A. R. (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004. p. 3-34.

SAUJAT, F. Fonction et usages de l’instruction au sosie en formation initiale. 2005. Disponível em: http://probo.free.fr/textes_amis/instruction_au_sosie_f_saujat.pdf. Acesso em 07 dez. 2009.

YVON, F.; CLOT, Y. Apprentissage et développement dans l’analyse du travail enseignante. Revista da Psicologia da Educação, n. 19, p. 11-38, 2004.

Downloads

Publicado

2020-12-30