FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE INGLÊS

EDUCAÇÃO LINGUÍSTICAS, TECNOLOGIAS E PRÁTICAS (DES)CONTEXTUALIZADAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.31938

Palavras-chave:

Formação inicial de professores, Tecnologias digitais, Educação crítica, Língua inglesa

Resumo

Em um contexto global cada vez mais marcado por recursos tecnológicos, temos evidenciado as complexidades e desafios da educação e da formação inicial de professores de línguas estrangeiras. O objetivo deste artigo é discutir perspectivas de futuros professores de língua inglesa sobre o uso das tecnologias digitais para o ensino e a aprendizagem de línguas. Este é um estudo de natureza qualitativa e interpretativista e compreende uma parte dos dados gerados para a realização de uma pesquisa de mestrado. Buscamos refletir sobre as relações entre formação crítica de professores de língua inglesa e o uso de tecnologias digitais para que seja possível discutir práticas (des)contextualizadas. Assim, encontramos subsídios teóricos nas discussões sobre educação linguística em línguas estrangeiras (FERRAZ; KAWACHI-FURLAN, 2018; SOUZA, 2018; DUBOC, 2014; MENEZES DE SOUZA, 2011; MONTE MÓR, 2009), bem como sobre a compreensão das tecnologias digitais e das práticas educacionais (VETROMILLE-CASTRO, 2019; SELWYN, 2017; MATTOS, 2011), dentre outros. Os resultados apontam para a importância no foco em formação crítica de professores para que o uso da tecnologia no ensino e na aprendizagem de línguas estrangeiras seja considerado de modo crítico e questionador, buscando ir além de técnicas de como usar recursos tecnológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Jotto Kawachi-Furlan, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), com período sanduíche na Universidade de Michigan; mestra em Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP); licenciada em Letras-Português/Inglês pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). É professora do Departamento de Línguas e Letras e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Vagno Vales Lacerda, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)/Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES); especialista em Língua Inglesa pelas Faculdades Integradas de Jacarepaguá; graduado em Letras - Português/Inglês e Literaturas pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). É professor substituto no curso de Letras/Inglês da UNEB e professor efetivo de Língua Inglesa no Ensino Fundamental II (EJA), lotado no município de Teixeira de Freitas.

Referências

CASOTTI, J. B. C.; FINARDI, K. R. Abordagens inclusivas no ensino de línguas: desafios para a formação docente. Revista (Con)textos Linguísticos, v. 10, n. 15, p. 63-76, 2016. Disponível em: http://www.periodicos.ufes.br/contextoslinguisticos/article/view/13496/10791. Acesso em: 05 maio 2019.

CASTRO, A. L. S. Affordances da Abordagem Híbrida no Ensino-Aprendizagem de Inglês e na Formação de Professores. 2019. 165 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2019.

DARDER, A. Reinventing Paulo Freire - A Pedagogy of Love. 2. ed. New York: Routledge, 2017.

DUBOC, A. P. M. Ensino e avaliação de línguas estrangeiras: tendências em curso. In: MULIK, Katia B.; RETORTA, Miriam S. (Orgs.). Avaliação no ensino aprendizado de línguas estrangeiras: diálogos, pesquisas e reflexões. Campinas: Pontes, 2014. p. 21-47.

DUDENEY, G.; HOCKLY, N. PEGRUM, M. Letramentos Digitais. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

EL KADRI, M. S.; ROCHA, C. H. Dimensões ideológicas nos discursos sobre tecnologias educacionais de professores em formação. In: ROCHA, C. H.; EL KADRI, M. S.; WINDLE, J. A. (Orgs.). Diálogos sobre tecnologia educacional: educação linguística, mobilidade e práticas translíngues. Campinas: Pontes Editores, 2017. p. 33-47.

FADINI, K. A. Formação Inicial de Professores de Inglês do e para o Século XXI: os papéis da língua e da tecnologia. 2016. 362 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.

FERRAZ, D. M; MATTOS, A. M. A. Formação de professores de línguas estrangeiras: as contribuições dos letramentos. In: FINARDI, K.; SCHERRE, M.; VIDON, L. (Orgs.). Língua, Discurso e Política: Desafios Contemporâneos. Campinas: Pontes Editores, 2019. p. 233-259.

FERRAZ, D. M.; NOGAROL, I. V. Letramento digital: os usos dos celulares em aulas de licenciatura em letras - inglês. Revista Tecnologia e Sociedade, Curitiba, v. 12, n. 26, p. 97-114, set./dez. 2016. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rts/article/view/3998. Acesso em: 11 out. 2016.

FERRAZ, D. M. Educação crítica em língua inglesa: neoliberalismo, globalização e novos letramentos. Curitiba: Editora CRV, 2015.

FINARDI, K. R.; PORCINO, M. C. Tecnologia e metodologia no ensino de inglês: impactos da globalização e da internacionalização. Ilha do Desterro, n. 66, p. 239-283, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2175-80262014000100239&script=sci_arttext. Acesso em: 10 abr. 2019.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

IALAGO, A. M.; DURAN, M. C. G. Formação de professores de inglês no Brasil. Revista Diálogo Educacional, v. 8, n. 23, p. 55-70, 2008. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/3967/3883. Acesso em: 12 abr. 2019.

JORDÃO, C. M. In: SILVA, K. A. da; ARAGÃO, R. C. (Orgs.). Conversas com formadores de professores de línguas: avanços e desafios. Campinas: Pontes Editores, 2013.

JORGE, M. As estradas menos seguidas: trajetória de uma linguista aplicada crítica. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, V. P. V.; MONTE MÓR, W. (Orgs.). Perspectivas críticas de educação linguística no Brasil: trajetórias e práticas de professoras(es) universitárias(os) de inglês. 1. ed. São Paulo: Pá de Palavra, 2018. p. 173-184. [recurso eletrônico].

KRESS, G. O ensino na era da informação: entre a instabilidade e a integração. In: GARCIA, R. L.; MOREIRA, A. F. B. (Org). Currículo na Contemporaneidade - incertezas e desafios. 4. ed. São Paulo: Cortez Editores, 2012. p. 127-152.

MATTOS, A. M. de A. Novos letramentos, ensino de língua estrangeira e o papel da escola pública no século XXI. Revista X, v. 1, n. 1., p. 33-47, 2011. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/22474/16915. Acesso em: 11 mar. 2019.

MATTOS, A. M. A. (Multi)letramentos e novas tecnologias: more buzzwords? In: FERRAZ, D. M.; KAWACHI-FURLAN, C. J. (Orgs.). Bate-papo com educadores linguísticos: letramentos, formação docente e criticidade. São Paulo: Pimenta Cultural, 2019. p. 181-191.

MENEZES DE SOUZA, L. M. T. Educação linguística: repensando os conceitos de língua e linguagem. In: FERRAZ, D. M.; KAWACHI-FURLAN, C. J. (Orgs.). Bate-papo com educadores linguísticos: letramentos, formação docente e criticidade. São Paulo: Pimenta Cultural, 2019. p. 244-258.

MENEZES DE SOUZA, L. M. T. O Professor de Inglês e os Letramentos no Século XXI: método ou ética?. In: JORDÃO, C. M.; MARTINEZ, J. Z.; HALU, R. C. (Orgs.). Formação "Desformatada": práticas com professores de língua inglesa. São Paulo: Pontes, 2011. p. 279-303.

MONTE MÓR, W. As políticas de ensino de línguas e o projeto de letramentos. In: NICOLAIDES, C, et al. (Orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes Editores, 2013. p. 219-235.

PESSOA, R. R.; BORELLI, J. D. V. P. Reflexão e crítica na formação de professores de língua estrangeira. Goiânia: Editora UFG, 2011. p. 15-29.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, p. 143-155, jan./abr. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n40/v14n40a12. Acesso em: 12 abr. 2019.

SCHIFFLER, M. F. Ensino de línguas como ação cultural: rupturas e transgressões no caminho para a cidadania. Revista Jurídica Portucalense/Portucalense Law Journal, n. 21, p. 388-402, 2017. Disponível em: https://revistas.rcaap.pt/juridica/article/view/9818. Acesso em: maio 2019.

SELWYN, N. Um panorama dos estudos críticos em educação e tecnologia digitais. Trad. Cíntia Regina Lacerda Rabello, Cláudia Hilsdorf Rocha, Joel Austin Windle e Michele Salles El Kadri. In: ROCHA, C.H.; EL KADRI, M. S.; WINDLE, J. A. (Orgs.). Diálogos sobre tecnologia educacional: educação linguística, mobilidade e práticas translíngues. Campinas: Pontes Editores, 2017, p. 11-32.

SOUZA, M. A. A. de. Formação de professores de inglês: buscando caminhos para uma educação linguística crítica. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, V. P. V.; MONTE MÓR, W. (Orgs.). Perspectivas críticas de educação linguística no Brasil: trajetórias e práticas de professoras(es) universitárias(os) de inglês. 1. ed. São Paulo: Pá de Palavra, 2018. p. 161-171. [recurso eletrônico].

VETROMILLE-CASTRO, R. O professor de línguas e as tecnologias digitais: reflexões sobre a profissão na sociedade conectada. In: FINARDI, K.; TÍLIO, R.; BORGES, V.; DELLAGNELO, A.; RAMOS FILHO, E. (Orgs.). Transitando e transpondo n(a) linguística aplicada. Campinas: Pontes Editores, 2019. p. 179-210.

Downloads

Publicado

2020-12-30