A FREQUÊNCIA E O PROCESSAMENTO DOS CLÍTICOS DE 2SG

UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL COM RASTREADOR OCULAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.31974

Palavras-chave:

Clíticos acusativos, 2ª pessoa do singular, Rastreamento ocular, Frequência de uso, Pronomes pessoais

Resumo

Neste estudo, apresento os resultados de um experimento de leitura de frases com rastreador ocular, através do qual analisei o processamento dos clíticos acusativos de 2ª pessoa do singular. Os objetivos desta investigação eram observar como falantes do português brasileiro processam a referência ao interlocutor a partir dos clíticos te, lhe e o/a e verificar se a percepção desses pronomes é influenciada pelas diferenças existentes na frequência de uso. Como referencial teórico, adoto os pressupostos da Linguística Centrada no Uso (BYBEE, 2007; DIVJAK; CALDWELL-HARRIS, 2015). Os resultados sustentam a hipótese de correlação entre uso e cognição: o clítico te, que é o pronome mais frequentemente encontrado nos dados de corpora, foi a forma que demandou menor custo de processamento aos participantes durante a tarefa experimental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Laurentino de Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutor e mestre em Letras Vernáculas (Língua Portuguesa) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); bacharel e licenciado em Letras - Português/Literaturas pela mesma instituição. É professor adjunto do Departamento de Letras Vernáculas (Setor de Língua Portuguesa) da Faculdade de Letras da UFRJ.

Referências

ALMEIDA, G. de S. Quem te viu quem lhe vê: a expressão do objeto acusativo de referência à segunda pessoa na fala de Salvador. 2009. 193 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/10995 .

BYBEE, J. Frequency of use and the organization of language. Oxford: Oxford University Press, 2007.

CAMARA Jr., J. M. História e Estrutura da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Padrão, 1985.

CAMARGO Jr., A. R. A realização do objeto direto em referência ao interlocutor. 2007. 98 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Filologia e Língua Portuguesa, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-03032008-114747/pt-br.php.

DIVJAK, D.; CALDWELL-HARRIS, C. L. Frequency and entrenchment. In: DABROWSKA, E; DIVJAK, D. (Eds.). Handbook of Cognitive Linguistics. Berlim/Boston: De Gruyter Mouton, 2015. p. 53-75.

FORSTER, R. Aspectos da utilização do rastreamento ocular na pesquisa psicolinguística. DELTA, São Paulo, v. 33, n. 2, p. 609-644, jun. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-445095461720767529.

LOPES, C. R. dos S. et al. A reorganização no sistema pronominal de 2a. pessoa na história do português brasileiro: outras relações gramaticais. In: LOPES, C. R. dos S. (Coord.). Mudança sintática das classes de palavra: perspectiva funcionalista; história do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2018. p. 142-185.

LUEGI, P.; COSTA, A.; FARIA, I. H. Analisando os comportamentos oculares durante a leitura. LinguíStica, v. 5, n. 1, p. 62-80, 2009. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rl/article/view/4424/3196.

MACHADO, A. C. M. As formas de tratamento no teatro brasileiro e português dos séculos XIX e XX. 2011. 217 f. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) – Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

OLIVEIRA, T. L. Língua e percepção: O Processamento dos clíticos com referência ao interlocutor no Português Brasileiro. 2018. 258 f. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) – Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1qamg9vOzB0LAINZ1ecuowHNR7Calq8w0/view?usp=sharing

OLIVEIRA SILVA, D. A expressão pronominal do acusativo e do dativo na segunda pessoa no português brasileiro: análise de roteiros cinematográficos. 2011. Dissertação (Mestrado em Linguística Românica) – Eberhard-Karls Universität Tübingen, Tübingen, 2011.

SOUZA, C. D. Eu te amo, eu lhe adoro, eu quero você: a variação das formas de acusativo de 2ª pessoa em cartas pessoais (1880-1980). 2014. 156 f. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas) – Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.posvernaculas.letras.ufrj.br/images/Posvernaculas/3-mestrado/dissertacoes/2014/3-SouzaCD.pdf.

WILLIAMS, E. B. Do latim ao português: fonologia e morfologia históricas da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.

Downloads

Publicado

2020-12-30