UMA INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DA GRAMÁTICA EM LÍNGUA PORTUGUESA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.32072

Palavras-chave:

Norma linguística, Língua portuguesa, Gramaticografia, Historiografia linguística

Resumo

Orientados pelo conceito de norma linguística e suas manifestações (COSERIU, 1962; ALÉONG, 2011), voltamo-nos ao estudo do processo da produção gramatical da língua portuguesa a fim de identificar os instrumentos de gramatização desse idioma, seu comportamento  e características textuais e extratextuais. Para tanto, recorremos ao acervo online de bibliotecas de centros universitários no Brasil, Portugal, Angola e Moçambique compondo um corpus de 161 gramáticas. Entre outros, foi possível observar que, apesar de o  início da produção de gramáticas dar-se em Portugal e se restringir ao país até início do século XIX, o Brasil apresenta-se como principal produtor de gramáticas desde o Séc. XIX. Por sua vez, os países africanos parecem estar ainda hoje à margem na produção gramaticógrafa da língua portuguesa. A pouca representatividade da autoria feminina e a pouco expressividade da abordagem descritiva na gramática escolar foram outros dados que nos ajudaram a refletir sobre a normatização da língua portuguesa e caminhos futuros para os estudos gramaticais. Essas e outras informações evidenciam que, além de esboçar os caminhos da gramaticografia do português, este estudo abre portas para abordagens futuras que permitam entender ainda mais como de deu o processo de normatização do português e quais demandas vigoram atualmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariane Rezende Melazo, Universidade Federal de Uberlândia

Graduada em Letras - Português e Literatura Portuguesa pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Foi bolsista CNPq de Iniciação Científica.

Leandro Silveira de Araujo, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor e mestre em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista (UNESP); graduado em Letras - Português/Espanhol pela mesma instituição. É professor no Instituto de Letras e Linguística, no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos e no Mestrado Profissional em Letras da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Referências

ALEONG, S. Normas linguísticas, normas sociais: uma perspectiva antropológica. In: BAGNO, M. Norma linguística. São Paulo: Ed. Loyola, 2001. p. 145-174.

BAGNO, M. Língua, Linguagem e Linguística: pondo os pontos nos ii. São Paulo: Parábla Editorial, 2014.

BECHARA, E. Curso Moderno de Português. 2 ed. São Paulo. Companhia Nacional, 1968.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. 3. ed. Trad. Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

COSERIU, E. Sistema, norma y habla. In: COSERIU, E. Teoría del lenguaje y lingüística general. 3. ed. Madrid: Gredos, 1962.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. São Paulo: Cortez, 2002.

VIEIRA, F. E. Gramatização brasileira contemporânea do português: novos paradigmas? In: VIEIRA, F. E. FARACO, C. A. Gramáticas brasileiras: com a palavra, os leitores. São Paulo: Parábola Editorial, 2016. p. 19-69.

VIEIRA, F. E. A gramática tradicional: história crítica. São Paulo, 2018.

VOLPE, A. S. Séc XVII – Gramáticas de Amaro de Roboredo e de Port-Royal. Verbum, n. 9, p. 69-78, 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-30