PERCEPÇÕES DE FILHOS DE IMIGRANTES SOBRE O AUXÍLIO AOS SEUS PAIS E FAMILIARES EM UM CURSO DE PORTUGUÊS PARA ESTRANGEIROS

UM ESTUDO DE CASO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.32123

Palavras-chave:

Imigração, Refugiados, Crianças, Percepções, Língua de acolhimento

Resumo

Este artigo tem como objetivo identificar as percepções de dois filhos de imigrantes (um paquistanês e uma venezuelana) residentes em Brasília quanto à própria vivência no Brasil, à língua de acolhimento e ao auxílio aos pais e responsáveis em sala de aulas de português como língua adicional. A discussão teórica com temas da questão linguística do Brasil, imigração e bilinguismo foi desenvolvida com base nas obras de McNamara (1967), Grosjean (1982), Henriques (2000), Bolognini e Payer (2005), Megale (2005), Rodrigues, Strey e Pereira (2007), Flores (2009), Cabete (2010), Grosso (2011), Becker e Borges (2015), Cruz (2017), entre outros. Foi feita uma pesquisa qualitativa de natureza exploratória na forma de um estudo de caso (MEIRINHOS; OSÓRIO, 2010; YIN, 2001). Para tanto, os instrumentos de pesquisa para o presente estudo foram escolhidos, como segue: a observação não participante e a entrevista semiestruturada. Como resultado, foi revelado que os participantes reconheceram que o Brasil apresenta uma vasta diferença em termos socioculturais e de religião, possuindo um sentimento afetivo quanto ao seu país natal. Cabe ressaltar, também, que eles ainda estão no processo de desenvolver as quatro habilidades linguísticas da língua de acolhimento e estão vivenciando uma nova experiência por meio do processo de auxílio aos pais e familiares no contexto educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Clara Sales de Freitas, Universidade de Brasília (UnB)

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade de Brasília (UnB); graduada em Letras - Inglês pela Universidade do Estado do Pará (UEPA).

Yuki Mukai, Universidade de Brasília (UnB)

Doutor em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); mestre em Letras - Língua Japonesa pela Universidade de São Paulo (USP). É professor do Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução e do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade de Brasília (UnB).

Referências

BECKER, A. P. S.; BORGES, L. M. Dimensões psicossociais da imigração no contexto familiar. Bol. Acad. Paulista de Psicologia, São Paulo, v. 35, n. 88, p. 126-144, 2015.

BARBOSA, L. M. A.; SÃO BERNARDO, M. A. Ensino de português como língua de acolhimento: experiência em um curso de português para imigrantes e refugiados(as) no Brasil. Fólio – Revista de Letras, v. 10, n. 1, p. 475-493. jan./jun. 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BASTOS, J. P. B.; OBREGÓN, M. F. Q. Venezuela em crise: o que mudou com Maduro? Derecho y Cambio Social, v. 52, p. 1-16, 2018.

BATISTA, R. O. Uma história dos estudos sobre a linguagem no Brasil: gramáticas coloniais, diversidade linguística e processos histórico-sociais. Todas as Letras - Revista de Língua e Literatura, v. 13 n. 1, p.113-127, 2011.

BEILKE, N. S. V. Do nativo ao pomerano: as línguas, os dialetos e falares vivos de um Brasil pouco conhecido. Domínios de Lingu@gem, v. 7, n. 1. p. 263-283, jan./jun., 2013.

BERGAMASCHI, M. C. Z. Bilinguismo de dialeto italiano-português: atitudes linguísticas. 2006. 154 f. Dissertação (Mestrado em Letras e Cultura Regional) – Pós-Graduação em Letras e Cultura Regional, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2006.

BOLOGNINI, C. Z.; PAYER, M. O. Línguas de imigrantes. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 57, n. 2, p. 42-46, abr./jun., 2005.

CABETE, M. A aprendizagem da língua de acolhimento: a perspectiva do Portugal acolhe. 2010. 135 f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura Portuguesa, PLE/PL2) – Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2010.

CASSARINO, J. P. Teorizando sobre a migração de retorno: uma abordagem conceitual revisitada sobre migrantes de retorno. REMHU, Rev. Interdiscip. Mobil. Hum. Brasília, v. 21, n. 41, p. 21-54, dez., 2013. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/remhu/v21n41/03.pdf. Acesso em: 24 out. 2020.

CRUZ, I. S. Português língua de acolhimento: reflexões sobre avaliação. 2017. 117 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução, Universidade de Brasília, 2017.

GOTZINGER, A. B; LUNA, J. M. F. A representação de educação linguística de imigrantes no Brasil. Revista X, v. 12, n. 1, p. 90-106, 2017.

GROSJEAN, F. Life with two languages: an introduction to bilingualism. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1982.

GROSSO, M. J. Língua de acolhimento, língua de integração. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 9, n. 2, p. 61-77, 2011.

HENRIQUES, E. R. Intercompreensão de texto escrito por falantes nativos de português e de espanhol. D.E.L.T.A., v. 16, n. 2, p. 263-295, 2000.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Educacionais Anísio Teixeira. CELPE-BRAS: Certificado de Proficiência em Língua Estrangeira para estrangeiros. [s.d]. Disponível em: http://celpebras.inep.gov.br/celpebras/. Acesso em: 22 out. 2020.

LOPEZ, A. P. A.; DINIZ, L. R. A. Iniciativas jurídicas e acadêmicas para o acolhimento no Brasil de deslocados forçados. Revista da Sociedade Internacional Português Língua Estrangeira, Brasília, Edição especial n. 9, s/p, 2018.

MACNAMARA, J. The bilingual’s linguistic performance. Journal of Social Issues, v. 23, p. 58-77, 1967.

MEGALE, A. H. Bilinguismo e educação bilíngue: discutindo conceitos. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL, v. 3, n. 5, ago. 2005.

MEIRINHOS, M; OSÓRIO, A. O estudo de caso como estratégia de investigação em Educação. Educação. Eduser: Revista de Educação, v. 2, n. 2, p. 49-65, 2010.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

NAÇÕES UNIDAS BRASIL. ACNUR e parceiros promovem agenda nacional para celebrar dia mundial do refugiado. 2020. Disponível em: https://nacoesunidas.org/acnur-e-parceiros-promovem-agenda-nacional-para-celebrar-dia-mundial-do-refugiado-no-brasil/. Acesso em: 18 jun. 2020.

RODRIGUES, R. A.; STREY, M. N.; PEREIRA, J. Experiência migratória: encontro consigo mesmo? Percepções de brasileiros sobre sua cultura e mudanças pessoais. Aletheia, n. 26, p. 168-180, jul./dez., 2007.

SANTANA, R. S.; ABRANCHES, S. P. Duolingo: a utilização da plataforma como ferramenta didática para o processo de ensino e aprendizagem em línguas estrangeiras. Revista Cadernos de Estudos e Pesquisa na Educação Básica, Recife, v. 4, n. 1, p. 162-172, 2018.

SATAKA, M. M. Análise do aplicativo Duolingo para aprendizagem de língua espanhola: uma pesquisa narrativa. 2019. 179 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2019.

UEBEL, R. R. G. Análise do perfil socioespacial das migrações internacionais para o Rio Grande do Sul no início do século XXI: redes, atores e cenários da imigração haitiana e senegalesa. 2015. 248 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Trad. Daniel Grassi. 2. ed., Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2020-12-30