JUNÇÃO E TRADIÇÃO DISCURSIVA NA ESCRITA INFANTIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.32138

Palavras-chave:

Escrita, Tradição discursiva, Mecanismos de junção

Resumo

Neste artigo, propõe-se uma abordagem descritivo-comparativa do funcionamento dos mecanismos de junção nas tradições discursivas (TDs) relato de experiência e carta de opinião, no modo escrito de enunciação. Com o objetivo de alcançar indícios que apontem a relação sintomática entre mecanismos de junção e TDs, o estudo fundamenta-se no modelo funcionalista de junção (RAIBLE, 2001), conjugado a uma base teórica que entende a escrita como constitutivamente heterogênea (CORRÊA, 2004) e a uma concepção de texto que considera as TDs que o constituem (KABATEK, 2006). Nesse quadro teórico-metodológico, a descrição da escrita infantil é pautada na consideração de aspectos linguísticos e discursivos, que permitem o reconhecimento, por meio do funcionamento dos MJs, de rastros do movimento do sujeito pelo que (re)conhece como fixo e lacunar do texto. Os resultados mostram que a textualização ocorre por meio dessa circulação do sujeito, em intrínseca associação àquilo que imagina ser a (sua) escrita, no processo de atualização da tradição. As especificidades da movimentação indiciada por esses rastros apontam, ao mesmo tempo, para o geral e o particular, a partir do que é fixo e lacunar nas tradições em que se inserem e lançam luz sobre a relação sintaxe-texto-discurso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Regiane Lopes-Damasio, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

Doutora e mestra em Linguística pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP); graduada em Letras – Português/Italiano pela mesma instituição. É professora no Departamento de Estudos Linguísticos, Literários e da Educação, no Programa Nacional de Pós-Graduação em Letras e no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da UNESP.

Referências

ABAURRE, M. B. M. Língua oral, língua escrita: interessam, à linguística, os dados da aquisição da representação escrita da linguagem? In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ALFAL, 9, 1990, Campinas. Anais... Campinas: IEL/Unicamp, 1990. p. 361-381.

ASCHENBERG, H. Historische Textsortenlinguistik. Beobachtungen und Gedanken. In: DRESCHER, M. Textsorten in romanischen Sprachvergleich. Tubingen: Stauffenburg Verlag. S., 2002. p. 153-170.

CHACON, L. Ritmo da escrita: uma organização do heterogêneo da linguagem. 1996. 389 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

CORRÊA, M. L. G. Arranjos referenciais de tempo em textos de pré-universitários: letramento e oralidade. Gragoatá, Rio de Janeiro, n. 25, p. 75-93, 2008.

CORRÊA, M. L. G. Heterogeneidade da escrita: a novidade da adequação e a experiência do acontecimento. Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. 8, p. 269-286, 2007.

CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. 1997. 435 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, 1997.

COSERIU, E. O homem e sua linguagem. Rio de Janeiro, Presença, 1982.

COSERIU, E. Creatividad y técnica lingüística. Los tres niveles del lenguaje. In: COSERIU, E. Lecciones de linguística general. Madrid: Gredos, 1981. p. 269-286.

HALLIDAY, M. A. K. Above the clause: the clause complex. In: HALLIDAY, M. A. K. An introduction to Funcional Grammar. New York: Arnold; 1985.

KABATEK, J. Introduccion. In: KABATEK, J. (Ed.). Sintaxis histórica del español y cambio lingüístico: nuevas perspectivas desde las Tradiciones Discursivas. Madrid: Iberoamericana, 2008.

KABATEK, J. Sobre a historicidade dos textos. Linha d’água, v. 17, p. 157-170, 2006.

KABATEK, J. Tradiciones discursivas y cambio lingüístico. Lexis XXIX, v. 2, p. 151-177, 2005.

KOCH, P. Tradiciones discusivas y cambio lingüístico: el exemplo del tratamiento vuestra merced em español. In: KABATEK; J. (Ed.). Sintaxis histórica del español y cambio lingüístico. Madrid, Iberoamericana; 2008.

KOCH, P. Os falantes como lingüistas: tradición, innovación e interferencias no gallego actual. Salamanca: Edicions Xerais de Galicia, 1996.

KOCH, P; OESTERREICHER, W. Lingua hablada en la romania: Espanol, Francés, Italiano. Madrid: Editorial Gredos, 2007.

KORTMANN, B. Adverbial Subordination: a typology and History of Adverbial Subordinators Based on European Languagens. Berlin-New York, Mouton de Gruyter; 1997.

LONGHIN-THOMAZI, S. R. Junção e(m) aquisição: aspectos morfossintáticos e cognitivos. Gragoatá, Niterói v. 30, p. 221-238, 2011.

LONGHIN, S. R. Tradições discursivas: conceito, história e aquisição. São Paulo: Cortez Editora, 2014.

LOPES-DAMASIO, L. R. O movimento linguístico-discursivo na aquisição da escrita: uma abordagem dos mecanismos de junção aditivos na construção de sentidos no texto. Filologia e Linguística Portuguesa, v. 21, p. 147-170, 2019.

LOPES-DAMASIO, L. R. Junção em contexto de aquisição de escrita: uma abordagem das tradições discursivas. Estudos Linguísticos, v. 43, n. 3, p. 1371-1386, 2014.

LOPES-DAMASIO, L. R; SILVA, P. C. S. Causa em aquisição da escrita: processos juntivos. Cadernos de Letras UFF, Niterói, v. 27, n. 55, p. 109-133, 2018.

MARCUSCHI, L. A. Oralidade e escrita. Texto da Conferência pronunciada no I Colóquio Franco-Brasileiro sobre linguagem e educação. UFRN, 26-28 de junho, 1995.

RAIBLE, W. Linking clauses. In: HASPELMATH, M. et al. (Ed.). Language typology and language universals: an international handbook. Berlin: Walter de Gruyter; 2001. p. 590-617.

STREET, B. V. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

TAURA, L. G. Tradição discursiva, variedade linguística e ensino. 2019. 153 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Assis: Universidade Estadual Paulista, Assis, 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-30