´PRÁTICA DE ENSINO DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ABORDAGEM PRAGMÁTICA NO ENSINO DE PROSÓDIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.32139

Palavras-chave:

Prática de ensino, Português como Língua Estrangeira, Prosódia, Atos de fala

Resumo

O presente trabalho visa contribuir para as discussões na área de ensino de Português como Língua Estrangeira (PLE), colocando em evidência a relevância de serem incorporadas práticas que considerem a prosódia um componente de inserção cultural. Nota-se que, no processo de aprendizagem de uma língua estrangeira, são usadas características prosódicas da língua materna, sem atentar-se para as diferenças culturais da expressão dos afetos sociais que podem interferir na composição da face positiva. A partir da evidência de que o espaço da prosódia em manuais didáticos de PLE é inexistente, embora a literatura já tenha ressaltado a importância desse conteúdo para o ensino da área, propõe-se aqui um roteiro de atividade, com base na Teoria dos Atos de Fala e na descrição prosódica dos atos de ordem e pedido no Português. O fundamento é usar descritores dos aspectos contextuais envolvidos na enunciação e demonstrar a forma como se articulam com as pistas prosódicas para a significação. O corpus a ser utilizado para essa finalidade é composto de vídeos disponíveis no YouTube®. Espera-se que esse material possa ser utilizado por professores de PLE e que contribua para um melhor desempenho dos estudantes estrangeiros que desejam se comunicar em Língua Portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Nascimento Bodolay, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Doutora e mestra em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); licenciada em Letras - Língua Portuguesa pela mesma instituição. É professora do Curso de Letras e do Mestrado Profissional em Educação da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Campus Diamantina.

Referências

ANTUNES, L. B. O papel da prosódia na expressão de atitudes do locutor em questões. 2007. 306 f. Tese (Doutorado em Linguística) - Faculdade de Letras da UFMG, Belo Horizonte, 2007.

AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer: palavras e ação. Porto Alegre: Artes Médicas,1990.

BARBOSA, P. Conhecendo melhor a prosódia: aspectos teóricos e metodológicos daquilo que moda nossa enunciação. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 20, n. 1, p. 11-27, jan./jun 2012.

CAGLIARI, L. C. Prosódia: algumas funções dos supra-segmentos. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 23, p. 137-151, jul/dez 1992.

COUPER-KUHLEN, E. An introduction to English prosody. Londres: Arnold,1986.

CRYSTAL, D. Prosodic systems and intonation in English. Cambridge: Cambridge University Press, 1969.

BODOLAY, A. Pragmática da entonação: a relação prosódia/contexto em atos diretivos no português. 2009. 303 f. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Letras da UFMG, Belo Horizonte, 2009.

BODOLAY, A. O papel da prosódia em enunciados de ordens e pedidos. Revista Vozes dos Vales, Diamantina, v. 6, p. 1-28, 2014. Disponível em: http://site.ufvjm.edu.br/revistamultidisciplinar/files/2014/10/O-papel-dapros%C3%B3diaem-enunciados-de-ordens-e-pedidos.pdf. Acesso em: fev. de 2016.

DUARTE, I. Textos orais: análise da conversa informal e ensino de Português Língua Estrangeira. Todas as Letras, São Paulo, v. 17, p. 56-72, jan./abr. 2015. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/78734/2/101212.pdf. Acesso em: 22 out. 2020.

FONÁGY, I. As funções modais da entonação. Cadernos de Estudos Linguísticos. Campinas, v. 25, p. 25-65, jul./dez. 1993.

FONÁGY, I. Des fonction de l’intonation: essay de synthese. Flambeau, Tóquio, v. 29, p. 1-20, jan. 2003.

GODOI, E. Pragmática: a cultura no ensino de línguas. Cadernos do Congresso Nacional de Linguística e Filologia, n. 9, 2005. Disponível em: http://www.filologia.org.br/ixcnlf/9/01.htm. Acesso em: 05 jun. 2020.

GOFFMAN, E. Interactional ritual essays on face to face behavior. New York: Pantheon Books, 1967.

GONÇALVES SEGUNDO, P. Linguística sistêmico-funcional e análise crítica do discurso: explorando convergências e explicitando especificidades. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 43, n. 3, p. 1282-1297, set./dez. 2014.

GRICE, P. Logic and conversation. In: COLES, P.; MORGAN, J. L. (Eds.). Syntax and Semantics III: speech acts. New York: Academic Press, 1979. p. 41-58.

GUMPERZ, J. Contextualization and understanding. In: DURANTI, A.; GOODWIN, C. (Orgs.). Rethinking context: language as an interactive phenomenon. Cambridge: Cambridge University Press, 1992. p. 229-252.

GUTIERRES, A. Relevância da pragmática e da teoria dos atos de fala para o ensino de inglês como língua estrangeira: tratamento dado a greetings em materiais didáticos. The Especialist, v. 29, n. esp., 2008. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/esp/article/view/6211/0. Acesso em: 7 mai. 2020.

HIRST, D.; DI CRISTO, A. Intonation systems. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

LIBERMAN, M. The intonational system of English. 1975. 324 f. Tese (Doutorado em Filosofia) - Massachusetts Institute of Technology, Massachusetts, 1975.

MARCUSCHI, L. A. Aspectos da oralidade descuidados, mas relevantes para o ensino de português como segunda língua. In: GÜNRTNER, E.; HERHUTH, M. J. P.; SOMMER, N. (Eds). Contribuições para a Didáctica do Português Língua Estrangeira. Frankfurt: TFM, 2001. p. 15-39.

MAURO, L. R. Material autêntico e tarefas no ensino-aprendizagem do italiano como língua estrangeira: entre a teoria e a prática didática. 2013. 207 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2013.

MELO, M. C. Ensino da prosódia nos atos diretivos de ordem e pedido para falantes estrangeiros aprendizes de português brasileiro: uma análise de materiais didáticos. 2017. 137 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade Interdisciplinar em Humanidades, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2017.

MENICONI, F. C. Los directivos em los diálogos de los libros didácticos de ELE. Revista de Didáctica Español Lengua Extranjera. Valencia, v. 9, p. 1-13, jul./dez. 2009. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=921/92152528005. Acesso em: 18 ago. 2020.

MORAES, J. A.; RILLIARD, A. Describing the intonation of speech acts in Brazilian Portuguese: methodological aspects. In: FELDHAUSEN, I.; FLIESSBACH, J.; VANRELL, M. del M. (Eds.). Methods in prosody: A Romance language perspective (Studies in Laboratory Phonology 6). Berlin: Language Science Press, 2018. p. 229-262.

PIKE, K. The intonation of American English. Michigan: University of Michigan Publications, 1945.

RABELO, L.; GARCIA, V. L. Role-play para o desenvolvimento de habilidades de comunicação e relacionais. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 39, p. 586-596, out./dez. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbem/v39n4/1981-5271-rbem-39-4-0586. Acesso em: 22 out. 2020.

REIS, C. A entonação no ato de fala. In: MENDES, E.; OLIVEIRA, P.; BENNIBLER, V. (Orgs.). O novo milênio: interfaces linguísticas e literárias. Belo Horizonte: UFMG/FALE, 2001. p 221-229.

RICHTER, M. G. Role-play e ensino interativo de língua materna. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 1, n. 2, p. 89-113, 1998. Disponível em: http://www.leffa.pro.br/tela4/Textos/Textos/Revista/edicoes/v1n2/Richter6.pdf. Acesso em: 24 out. 2020.

SEARLE, J. Os actos de fala: um ensaio de filosofia da linguagem. Coimbra: Livraria Almedina, 1981.

VANDERVEKEN, D. Meaning and speech acts: principles of language use. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

VAN DIJK, T. A. Cognição, discurso e interação. São Paulo: Contexto, 1992.

WICHMANN, A. The attitudinal effects of prosody, and how they relate to emotion. In: COWIE, R.; DOUGLAS-COWIE, E.; SHRODER, M. (Ed.). Proceedings ISCA, workshop on pitch and emotion, New Castle, setembro de 2000. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/a627/2101b42d3e2481427227c2393f2aadaf75bb.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-30