CURSO DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA MODALIDADE REMOTA

UM OLHAR PARA OS DESAFIOS E SUPERAÇÕES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.32152

Palavras-chave:

Ensino Remoto, Produção Escrita, Espanhol como língua estrangeira

Resumo

A urgência para a realização de atividades educacionais remotas, devido ao contexto pandêmico do coronavírus, instiga reflexões e ações efetivas na educação básica e no ensino superior. Com o intuito de compartilhar conhecimentos e vivências práticas, este artigo, que se apoia em um relato de experiência, apresenta as expectativas, desafios e superações na preparação, execução e avaliação de uma ação de extensão, na modalidade remota, do curso de produção escrita em língua espanhola, oferecido a estudantes da graduação em Letras com habilitação em Espanhol da Universidade Federal de Sergipe (UFS). As professoras-pesquisadoras compreenderam a ação como satisfatória, por motivar a produção escrita e a interação entre os alunos, embora tenham encontrado percalços e, portanto, a necessidade de adaptações para a realização do curso, no que se refere tanto ao empreendimento de recursos tecnológicos (escolha das plataformas para as atividades síncronas e assíncronas), quanto às ações pedagógicas (curadoria do material, adequação ao tempo de aula e à quantidade de atividades semanais e propostas de exercícios mais interativos). Trata-se de um trabalho relevante no que diz respeito à proposta do curso em si e às especificidades do ensino remoto, contribuindo com a divulgação científica de ações que fomentam o estabelecimento e as relações eficazes entre ensino, pesquisa e extensão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roana Rodrigues, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Doutora e mestra em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar); graduada em Letras – Português/Espanhol pela mesma instituição. É professora do Departamento de Línguas Estrangeiras da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Acassia dos Anjos Santos Rosa, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Doutora em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); mestra em Letras pela Universidade Federal de Sergipe (UFS); especialista em Língua Espanhola pela Faculdade Pio X; graduada em Letras - Português/Espanhol pela UFS. É professora do Departamento de Línguas Estrangeiras da UFS.

Referências

ARAÚJO, G. A.; FREITAS, G. M. S; SILVA, J. A. P. A hipótese do filtro afetivo e o constructo da motivação na aquisição de segunda língua: uma retomada crítica. Entrepalavras, Fortaleza, v. 9, n. 2, p. 492-512, 2019.

BATES, A. W. Educar na era digital: design, ensino e aprendizagem. (Versão Digital). São Paulo: Artesanato Educacional/ABED, 2017.

BRASIL, Ministério da Educação. Referenciais de qualidade para educação superior à distância. Brasília, 2003. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/ReferenciaisdeEAD.pdf. Acesso em: jun. 2020.

CARVALHO, T. L. Propuestas de actividades y procedimientos metodológicos practicados en la enseñanza de la escritura en ELE en la EaD. Revista (Con)Textos Linguísticos, Vitória, v. 14, n. 27, p. 516-536, 2020.

CHRISTENSEN, C.; HORN, M.; STAKER, H. Ensino híbrido: uma inovação disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. 2013. Disponível em: https://porvir.org/wp-content/uploads/2014/08/PT_Is-K-12-blended-learning-disruptive-Final.pdf. Acesso em: jun. 2020.

CORTELLA, M. S.; DIMENSTEIN, G. A Era da Curadoria: o que importa é saber o que importa! 1. ed. Campinas: Papirus, 2015.

COSTA, S. R. S.; DUQUEVIZ, B. C.; PEDROZA, R. L. S. Tecnologias Digitais como instrumentos mediadores da aprendizagem dos nativos digitais. Revista Psicologia Escolar e Educacional, v. 19, p. 603-610, 2015.

MARCUSCHI, L. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Orgs.). Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

PACHECO, P. F. Entre o texto verbal e o não verbal das obras do acervo de literatura do PNAIC: traduções possíveis. Diálogo das Letras, v. 5, 2016.

PAIVA, V. L. M. O. O uso da tecnologia no ensino de línguas estrangeiras: breve retrospectiva histórica. 2008. Disponível em: https://www.veramenezes.com/techist.pdf. Acesso em: maio 2020.

PASIN, D.; DELGADO, H. O. K. O ensino híbrido como modalidade de interação ativa e reflexão crítica: relato de uma experiência docente no Brasil. Texto Livre, v. 10, 2017.

PINHEIRO, M. S. O letramento multimodal crítico: o discurso discente sobre política nas aulas de espanhol. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 19, n. 3, p. 455-476, 2019.

ROCHA, M. S.; PAIVA SILVA, M. M. A linguística textual e a construção do texto: um estudo sobre os fatores de textualidade. Revista a Cor das Letras, v. 18, n. 2, p. 26-44, 2017.

ROSALIN, B. C. M.; SANTOS CRUZ, J. A.; MATTOS, M. B. G. A importância do material didático no ensino a distância. Revista on-line de Política e Gestão Educacional, v. 21, p. 814-830, 2017.

SANTANA, A. D. O uso da plataforma Moodle na Educação à Distância como forma de democratizar o ensino. 2008. Disponível em: http://www.webartigos.com/artigos/ouso-da-plataforma-moodle-na-educacao-a-distancia-como-forma-de-democratizar-o-ensino/20991/. Acesso em: jun. 2020.

SANTOS, A. A. O Moodle na educação superior à distância. Anais do Congresso Nacional Universidade, EAD e Software Livre, v. 1., n. 6, 2015.

VALENTE, J. A. A Sala de Aula Invertida e a Possibilidade do Ensino Personalizado: uma experiência com a graduação em Midialogia. In: BACICH, L.; MORAN, J. (Orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem técnico-prática. 1. ed. Porto Alegre: Penso, 2018.

Downloads

Publicado

2020-12-30