BLACK MIRROR COMO ESTRATÉGIA DE LETRAMENTO CRÍTICO

A NARRATIVA FANTÁSTICA DO EPISÓDIO URSO BRANCO APLICADA AO ENSINO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.32225

Palavras-chave:

Black Mirror, Letramento Crítico, Linguística Aplicada

Resumo

Estando localizadas dentro de um contexto em que a tecnologia e a produção cinematográfica avançam em suas diversas perspectivas, as composições artísticas têm impulsionado continuamente a promoção do Letramento Crítico na sociedade durante a interação nas práticas sociais. Logo, este artigo objetiva analisar a narrativa fantástica do episódio ‘Urso Branco’ da série Black Mirror e sua relação com o Letramento Crítico, para posteriormente, traçar uma proposta aplicada ao ensino. Os conceitos de Letramento Crítico (FREIRE, 1970, 2016; JORDÃO, 2007; MEY, 2001) e a abordagem indisciplinar da Linguística Aplicada (FABRICIO, 2006) orientaram as discussões sobre a relação do ser humano com o agir crítico e social. Ao propor a aplicação da obra cinematográfica no contexto de ensino, a narrativa fantástica pode facilitar (i) a compreensão do texto por meio de suas semioses, (ii) o protagonismo dos alunos na produção de debates; e (iii) o desenvolvimento da criticidade através de uma necessidade emergente do aluno (MEY, 2001; FREIRE, 2016). Em vista disso, a narrativa fantástica pode sustentar uma compreensão de indivíduos que tracem uma visão plural objetivando viabilizar a criticidade e a consciência das ações coletivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marion Lucena Cavalcante, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade Estadual do Ceará (UECE); licenciada em Letras - Português pela mesma instituição. É bolsista FUNCAP.

Lucas Matheus Silva Teixeira, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade Estadual do Ceará (UECE); bacharel em Letras - Língua Inglesa pela mesma instituição. É bolsista CAPES.

Nukácia Meyre Silva Araújo, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC); mestra em Linguística pela mesma instituição; graduada em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). É professora do Curso de Letras, do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada e do Mestrado Profissional em Letras da UECE.

Referências

ARANTES, P. Arte e crítica social em Adorno. Revista Princípios, n. 40, p. 78-81, fev-abr. 1996. Disponível em: http://revistaprincipios.com.br/artigos/40/cat/1662/arte-e-cr&iacutetica-social-em-adorno-.html. Acesso em: 12 mai. 2020.

AZAMBUJA, P.; PERRI, C. Filosofia e distopia seriadas: sobre Black Mirror e suas relações entre humanos e técnicas. Revista Ícone, v. 16, n. 1, p. 42-57, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/icone/article/view/237077. Acesso em: 12 mai. 2020.

BAUDRILLARD, J.; POSTER, M. Selected writings. Stanford: Stanford University Press, 1988.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília1: MEC/ Secretaria de Educação Básica, 2018.

CALDEIRA NETO, O. Neofascismo, “Nova República” e a ascensão das direitas no Brasil. Revista Conhecer: debate entre o público e o privado, v. 10, n. 24, p. 120-140, 2020. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/revistaconhecer/article/view/2060. Acesso em: 12 mai. 2020.

CAMARANI, A. L. S. A literatura fantástica: caminhos teóricos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

CAVALCANTE, M. L.; SILVA, T. A. Fita Verde no Cabelo: um estudo discursivo-semiótico sobre o conto de Guimarães Rosa. In: PAIVA, F. J. O.; LIMA, A. M. P. (Orgs.). Pesquisas em análise do discurso, multimodalidade & ensino: debates teóricos e metodológicos. São Carlos: Pedro & João Editores, 2020. Disponível em: https://pedroejoaoeditores.com/wp-content/uploads/2020/10/E-BOOK-2-VOL2.pdf. Acesso em: 24 out. 2020.

CERVETTI, G.; PARDALES, M.J.; DAMICO, J.S. A tale of differences: Comparing the traditions, perspectives, and educational goals of critical reading and critical literacy. Reading Online, v. 4, n. 9, abr. 2001. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/c3d4/3e79a71767b6f5dc848f406a46006de9e180.pdf. Acesso em: 12 mai. 2020.

DA SILVA, M. M. P.; DE ALMEIDA, D. B. L. Linguagem Verbal, Linguagem Verbo-Visual: Reflexões teóricas sobre a perspectiva Sócio-Semiótica da Linguística Sistêmico Funcional. Revista Odisseia, v. 3, n. 1, p. p. 36-56, jan. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/odisseia/article/view/12686. Acesso em: 11 mai. 2020.

FABRÍCIO, B. F. Linguística aplicada como espaço de “desaprendizagem”:

redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P. da (Org.). Por uma linguística aplicada

indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 45-65.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

FREIRE, P. Pedagogia da Tolerância. São Paulo: Editora Unesp, 2016.

GOMEZ, L.; MARTINES-ÁVILA, D.; VALENTIM, M. L. P. Pós-modernidade, capitalismo e conhecimento: uma análise crítica. Revista Complexitas, Belém, v. 3, n. 1, p. 120-129, jan./jun. 2018. Disponível em: http://www.periodicos.ufpa.br/index.php/complexitas/article/view/6637. Acesso em: 11 mai. 2020.

GOODMAN, Paul et al. (Eds.). Technology and organizations. San Francisco: JosseyBass Publishers, 1990.

HÚBRIS. In: PRIBERAM. Disponível em: https://dicionario.priberam.org/h%C3%BAbris. Acesso em: 24. out. 2020.

JORDÃO, C. M. As lentes do discurso: letramento e criticidade no mundo digital. In: Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, 2007. p. 19-29.

KLEIMAN, A. B. (Org.). Os significados do Letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2008.

MEY, L. J. As vozes da sociedade: seminários de pragmática. Trad. Ana Cristina de Aguiar. Campinas: Mercado de Letras, 2001. p. 195-208.

MEURER, J. L. Gêneros textuais na análise crítica de Fairclough. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Eds.). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. p. 81-106.

NAÏR, S. O que está por trás do discurso de ódio. EL PAÍS, 08 dez. 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/12/07/internacional/1544180778_836431.html. Acesso em: 13 mai. 2020.

REISDOERFER, H. M.; FLORES, N. M. Black Mirror: uma análise crítica da sociedade a partir do episódio Fifteen Million Merits sob à luz das teorias da Sociedade do Espetáculo e da Pós-Modernidade. Revista Temática, v. 14, n. 10, p. 30-44, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/tematica/article/view/42254. Acesso em 12 mai. 2020.

ROJO, R.; BARBOSA, J. P. Hipermodernidade, multiletramentos e gêneros discursivos. São Paulo: Parábola Editorial. 2015.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. São Paulo: Cortez, 2009.

ZACCHI, V. J. Novos Letramentos e cosmopolitismo na formação de professores de Língua estrangeiras. In: ZACCHI, V. J; STELLA, P. R. (Orgs.). Novos Letramentos, Formação de Professores e Ensino de Língua Inglesa. Maceió: EDUFAL, 2014.

Downloads

Publicado

2020-12-30