ANÁLISE DISCURSIVA DA ESTRUTURA CORRELATIVA “NÃO -X, MAS SIM -Y” E SEU VALOR ARGUMENTATIVO EM TEXTOS DO GÊNERO MEME

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.32428

Palavras-chave:

Semiolinguística, Polifonia, Correlação, Gêneros textuais

Resumo

Este trabalho tem por objetivo analisar discursivamente a estrutura correlativa “não -x, mas sim -y” e o seu valor argumentativo sob a ótica da Teoria Semiolinguística, de Patrick Charaudeau (2008), em textos do gênero meme. Como pressupostos teórico-metodológicos basilares para análise, elegemos alguns dos conceitos-chave da Teoria Semiolinguística como contrato de comunicação, ato de linguagem, modos de organização do discurso enunciativo e argumentativo, bem como conceitos da Teoria da Argumentação e da Teoria da Correlação. Esse aporte teórico nos conduziu à compreensão de que discursos estruturados por “não -x, mas sim -y” são atravessados por duas vozes gerais. Essas duas vozes apresentam crenças ou valores sociais e, numa relação de força argumentativa, elas buscam refutar uma primeira voz geral (mais fraca) e introduzir uma segunda voz geral com o objetivo de marcar outro posicionamento com um argumento mais forte e mais importante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniele Cristina Campos, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); especialista em Estudos Linguísticos e Literários pelo Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ); graduada em Letras – Português pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Bolsista do CNPq (vigência: mar. 2019 - mar. 2020).

Maria Aparecida Lino Pauliukonis , Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutora em Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); mestra em Literatura pela Universidade de São Paulo (USP); graduada em Letras - Português/Inglês pela Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de Franca – campus avançado da USP. Realizou pós-doutorado na Universidade Paris 13. É professora da Faculdade de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFRJ.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

CAMARA JUNIOR, J. M. Dicionário de Linguística e Gramática. Petrópolis: Vozes, 1981.

CHARAUDEAU, P. Uma análise semiolinguística do texto e do discurso. In: PAULIUKONIS, M. A. L.; GAVAZZI, S. (Orgs.). Da língua ao discurso: reflexões para o ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007. p. 11-29.

CHARAUDEAU, P. Linguagem e discurso: modos de organização. Coordenação da equipe de tradução: Ângela Maria da Silva Corrêa e Ida Lúcia Machado. São Paulo: Contexto, 2008.

CHARAUDEAU, P. Dize-me qual é teu corpus, eu te direi qual é a tua problemática. In: Revista Diadorim, Rio de Janeiro, v. 10, p. 1-23, dez. 2011. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/diadorim/article/view/3932/15637. Acesso em: 15 nov. 2019.

DUCROT, O. Polifonía y argumentación. Conferencias del Seminario Teoría de la Argumentación y Análisis del Discurso. Cali: Universidad del Valle, 1988.

DUCROT, O. Argumentação retórica e argumentação linguística. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 44, n. 1, p. 20-25, jan./mar., 2009.

KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, 2011.

MARI, H.; SILVEIRA, J. C. C. Sobre a importância dos gêneros discursivos. In: MACHADO, I. L.; MELLO, R. de (Orgs.). Gêneros: Reflexões em Análise do Discurso. Belo Horizonte: Núcleo de Análise do Discurso - FALE/UFMG, 2004. p. 59-74.

MÓDOLO, M. Correlacionando orações na língua portuguesa. 2005. Disponível em: https://issuu.com/museulp/docs/correlacionando_ora_es_na_lingua. Acesso em 16 dez. 2019.

OITICICA, J. Teoria da Correlação. Rio de Janeiro: Organizações Simões, 1952.

PAULIUKONIS, M. A. L. Função argumentativa da correlação. In: PEREIRA, C. da C.; PEREIRA, P. R. D. (Orgs.). Miscelânea de estudos linguísticos, filológicos e literários in Memoriam Celso Cunha. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1995. p. 337-347.

PAULIUKONIS, M. A. L. A estrutura correlativa como operador discursivo na articulação de cláusulas. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 5, n. 9, p. 119-125, 2001a.

PAULIUKONIS, M. A. L. Processos de discursivização: da língua ao discurso – caracterizações genéricas e específicas de um texto argumentativo. Revista Veredas, Juiz de Fora, v. 4, n. 2, p. 89-96, 2001b.

RODRIGUES, V. V. Em foco a correlação. Revista Diadorim, Rio de Janeiro, v. 16, p. 122-139, dez. 2014.

SOUZA, C. F. de. Memes: formações discursivas que ecoam no ciberespaço. Vértices, Campos dos Goytacazes, v. 15, n. 1, p. 127-148, jan./abr. 2013.

VOGT, C. Linguagem, Pragmática e Ideologia. São Paulo: Hucitec, 1980.

Downloads

Publicado

2020-12-30