O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO INTRATÓPICA EM CARTAS DE LEITOR DE JORNAIS PAULISTAS DO SÉCULO XXI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v14i29.32430

Palavras-chave:

Organização Tópica, Tópico Discursivo, Processos de Construção Textual

Resumo

A organização tópica é a organização de um texto em tópicos hierarquicamente inter-relacionados e a construção e a linearização de grupos de enunciados que desenvolvem esses tópicos. Chama-se de segmento tópico mínimo (SegT mínimo) cada grupo de enunciados que desenvolve um dos tópicos mais específicos da hierarquização tópica de um texto, e a combinação de (grupos de) enunciados dentro de SegTs mínimos constitui o processo denominado de organização intratópica. O objetivo deste trabalho é analisar a organização intratópica de cartas de leitor publicadas em jornais paulistas no século XXI. O quadro teórico adotado é o da Gramática Textual-Interativa, e o material de análise é constituído pelo total de 250 cartas, extraídas dos jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo. Os resultados indicam que parte considerável dessas cartas segue uma regra geral de organização intratópica que prediz a construção de SegTs mínimos mediante o encadeamento potencial das unidades de Introdução, Posição, Suporte, Interpelação e Desfecho, nessa ordem sequencial, sendo cada unidade caracterizada em termos da função que exerce no desenvolvimento do tópico do SegT mínimo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Penhavel, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Doutor em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista (UNESP); licenciado em Letras – Português/Francês pela mesma instituição. É professor do Departamento de Estudos Linguísticos e Literários e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da UNESP, câmpus de São José do Rio Preto.

Gabriela Andrade de Oliveira, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Estadual Paulista (UNESP); mestra em Estudos Linguísticos pela UNESP; bacharela em Moda pelo Centro Universitário de Rio Preto (UNIRP). É professora bolsista do curso de Licenciatura em Letras da UNESP e facilitadora EaD na Universidade Virtual do Estado de São Paulo (UNIVESP).

Referências

ADAM, J. M. A Lingüística Textual: introdução à análise textual dos discursos. São Paulo: Cortez, 2008.

ALMEIDA, M. M. S. Projeto de História do Português Paulista. Relatório Final de Pesquisa apresentado à FAPESP. USP, São Paulo, 2017.

CASTILHO, A. T. (Org.). Para a história do português brasileiro. v. I. Primeiras idéias. São Paulo: Humanitas/FAPESP, 1998.

FOLHA DE S. PAULO. São Paulo: Grupo Folha, ano 95. Disponível em https://acervo.folha.com.br. Acesso em: 30 jun. 2015.

GARCIA, A. G. Estudo do processo de organização tópica em editoriais de jornais paulistas do século XXI. 2018. 277 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Estadual Paulista, José do Rio Preto, 2018.

GUERRA, A. R. Unidades linguístico-textuais e finalidades sociocomunicativas em cartas de leitores de jornais paulistas do século XIX. Revista Veredas, v. 2, n. 23, p. 106-125, 2019.

GUERRA, A. R.; PENHAVEL, E. O processo de estruturação interna de segmentos tópicos mínimos em cartas de leitores de jornais paulistas do século XIX. Revista Confluência, v. 37-38, p. 137-161, 2010.

JUBRAN, C. C. A. S. A Perspectiva Textual-Interativa. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. (Orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil. v. I. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006a. p. 27-36.

JUBRAN, C. C. A. S. Tópico Discursivo. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. (Orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil. v. I. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006b, p. 89-132.

JUBRAN, C. C. A. S. Uma gramática textual de orientação interacional. In: CASTILHO, A. T.; MORAIS, M. A. T.; LOPES, R. E. V.; CYRINO, S. M. (Orgs.). Descrição, história e aquisição do português brasileiro. Campinas; São Paulo: Pontes; FAPESP, 2007. p. 313-327.

JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. (Orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil. v. I: Construção do texto falado. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006./

O ESTADO DE S. PAULO. São Paulo, ano 136. Disponível em: https://acervo.estadao.com.br. Acesso em: 20 jun. 2015.

PENHAVEL, E. Marcadores Discursivos e Articulação Tópica. 2010. 168 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

PINHEIRO, C. L. Estratégias textuais-interativas: a organização tópica. Maceió: Edufal, 2005.

SEARLE, J. Expressão e Significado. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002 [1979].

SCHIFFRIN, D. Discourse markers. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

Downloads

Publicado

2020-12-30