Ressignificações contemporâneas dos imaginários racializados nas artes visuais

Autores

  • Daniel Meirinho UFRN

DOI:

https://doi.org/10.47456/rf.v1i23.34029

Palavras-chave:

artes visuais, imagens de controle, arte afro-brasileira, visualidades racializadas, artistas negros contemporâneos

Resumo

: Este artigo analisa como contra estratégias de contestação representacional feita por artistas visuais contemporâneos negros podem vir a subverter os estereótipos raciais negativos criados e consolidados nas artes visuais. Desenhos, pinturas e fotografias raciais continuam a compor os imaginários e materiais didáticos, currículos escolares no ensino em artes e história aplicados em todo o país. O processo de ressignificação dos imaginários visuais racializados das imagens coloniais de controle amplificam complexidades da cultura afro-brasileira e redefinem narrativas imagéticas até hoje reiteradas. Este trabalho visa identificar como os modos de transcodificação e resistência em produções visuais contemporâneas reinscrevem significações reducionistas a partir de estratégias estéticas decoloniais negras nas artes enquanto práxis transformadora e de questionamentos raciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Meirinho, UFRN

Professor do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e do Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia (PPgEM/UFRN). Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa (UNL, Portugal). Mestre em Comunicação e Artes pela mesma universidade (UNL, Portugal). Pós-doutorado pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Fotógrafo e pesquisador das áreas de fotografia e artes visuais, com ênfase em decolonialidade, identidade racial, representação e resistência na produção de artistas contemporâneos negros. Coordena o projeto “Olhos Negros: Visibilidades e alteridades na fotografia negra contemporânea brasileira” (UFRN) para o mapeamento, catalogação e difusão de fotógrafos negros que atuam em âmbito nacional.  

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen Produção Editorial, 2019.

ALONSO, Angela. Flores, votos e balas: o movimento abolicionista brasileiro (1868-1888). São Paulo: Companhia das Letras, 2015, 529 p.

ARAÚJO, Emanoel (Org.). A mão afro-brasileira: significado da contribuição artística e histórica. São Paulo: Tenenge, 1988.

BAXANDALL, Michael; PEREIRA, Vera Maria. Padrões de intenção: a explicação histórica dos quadros. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 15-24, 2016.

BRASIL. Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências.

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: Knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. Nova York: Routledge, 2002.

CONDURU, Roberto. Arte Afro-Brasileira. São Paulo: C/Arte, 2007.

CRUZ, Yhuri. Monumento à voz de Anastácia. Disponível em https://yhuricruz.com/2019/06/04/monumento-a-voz-de-anastacia-2019, acesso em 10 de outubro de 2020.

DOSSIN, F. R. Apontamentos acerca da presença do artista afro-descendente na história da arte brasileira. In: XVII Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, 2008, Florianópolis. Anais do 17o Encontro Nacional da ANPAP. Florianópolis: ANPAP, 2008.

GILROY, Paul. Entre campos: nações, culturas e o fascínio da raça. São Paulo: Annablume, 2007.

GLISSANT, Édouard. Pela opacidade. Revista Criação & Crítica, n. 1, p. 53-55, 2008.

GOMES JR., Guilherme Simões. Vidas de artistas: Portugal e Brasil. Revista Brasileia de Ciências Sociais, v. 22, n. 64, p. 33-47, 2007.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afrolatinoamericano. Revista Isis Internacional, Santiago, v. 9, p. 133-141, 1988.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: PUC-Rio - Apicuri, 2016.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.

LOTIERZO, Tatiana. Contornos do (in)visível Racismo e Estética na pintura brasileira (1850-1940). São Paulo: Edusp, 2017.

MACHADO, Maria Helena P T. Crime e escravidão: trabalho, luta e resistência nas lavouras paulistas (1830-1888). 2a edição. São Paulo: EDUSP, 2014.

MAUAD, Ana Maria. Fotografia pública e cultura visual, em perspectiva histórica. Revista Brasileira de História da Mídia, v. 2, n. 2, p. 11-20, 2013.

MENEZES NETO, Hélio. Entre o visível e o oculto: a construção do conceito de arte afro-brasileira, Dissertação (Mestrado em Antropologia), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2018.

MIGNOLO, Walter D. Aiesthesis decolonial. CALLE 14: revista de investigación en el campo del arte, v. 4, n. 4, p. 10-25, 2010.

MORTARI, Claudia. Introdução aos estudos africanos e da diáspora. Florianópolis: DIOESC: UDESC, 2015.

MUNANGA, Kabengele. Arte afro-brasileira: o que é afinal?. Paralaxe, v. 6, n. 1, p. 5-23, 2019.

NOGUEIRA, Isildinha Baptista. Significações do corpo negro. Tese (Doutorado em Psicologia), Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

NYONG’O, Tavia. Afro-Fabulations: The Queer Drama of Black Life. Nova York UP, 2018.

PICANCIO, Gabriela Valer; DOS SANTOS, Rafael José; BOONE, Silvana. Do animal imoral à total invisibilidade: a representação da mulher negra nas artes visuais e na literatura brasileiras. In: Conexão-Comunicação e Cultura, v. 18, n. 35, 2020.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos rumos, v. 37, n. 17, p. 4-28, 2002.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; DOS SANTOS GOMES, Flávio (Ed.). Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. Editora Companhia das Letras, 2018a.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Imagens da Escravidão: o outro do outro (Séculos 16 ao 19) In: Histórias Afro-Atlânticas [vol. 2] Antologia, Org. Adriano Pedrosa, Amanda Carneiro, André Mesquita. São Paulo: Masp, pp. 524 – 538, 2017.

SIMIONI, Ana Paula. Bordado e transgressão: questões de gênero na arte de Rosana Paulino e Rosana Palazyan. PROA Revista de Antropologia e Arte, n. 2, p. 1-20, 2010.

VASQUEZ, Pedro. D. Pedro II e a fotografia no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 1985.

Downloads

Publicado

2021-01-24

Como Citar

Meirinho, D. . (2021). Ressignificações contemporâneas dos imaginários racializados nas artes visuais . Revista Farol, 16(23), 55–70. https://doi.org/10.47456/rf.v1i23.34029

Edição

Seção

Seção Temática